O risco da febre amarela na gravidez

///O risco da febre amarela na gravidez

O risco da febre amarela na gravidez

O surgimento de casos de febre amarela no nosso estado tem preocupado muitas mulheres que estão grávidas ou pretendem engravidar. A infeção pelo vírus e o desenvolvimento da doença colocam em risco tanto a saúde da mãe quanto a do bebê.

Além do combate ao vetor, a forma mais eficiente de se livrar da doença é estar imunizado contra ela, ou seja, tomar a vacina. Mas afinal, as grávidas podem ser imunizadas contra a febre amarela?

Vejamos. A vacina contra a febre amarela durante a gravidez não é recomendada pelos órgãos de saúde porque os riscos para o bebê são desconhecidos, já que a mesma é composta de vírus vivo atenuado. Além das gestantes, também deve ser evitada por quem estiver amamentando, para bebês com menos de seis meses, além de portadores de algum tipo de câncer e de doenças imunodepressoras como o HIV.

Portanto, a decisão de tomar ou não a vacina contra a febre amarela durante a gestação é uma escolha que deve ser avaliada junto ao médico obstetra, sobretudo as gestantes que moram nas regiões mais afetadas.

Veja algumas precauções que a gestantes devem tomar

  • Evitar viagens para áreas de alto risco, como: Minas Gerais e regiões: Governador Valadares, Manhumirim e Teófilo Otoni;
    • Caso resida nas regiões afetadas ou a viagem seja obrigatória consulte o médico para que ele avalie os riscos e benefícios da vacina;
    • Mulheres que residem ou vão viajar para as regiões endêmicas e desejam engravidar, é indicado esperar pelo menos um mês após a vacina, para tentar uma possível gravidez;
    • Repelentes e roupas de manga longa, como calças e blusas é também uma forma preventiva contra o mosquito. Telas nas janelas impedem a entrada dos insetos e contaminação;
    • Bebês que moram em áreas de risco devem tomar a vacina a partir dos seis meses de idade. Em locais com pouca ou nenhuma incidência da doença a imunização é feita a partir do nono mês.

Entenda a doença

A febre amarela é uma doença viral aguda de gravidade variável, transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado. Cerca de aproximadamente 20% das pessoas doentes apresentam sintomas severos como febre alta, sangramentos, cefaleia, calafrios, mialgia, vômitos, prostração, icterícia, podendo levar ao óbito. O período de incubação da doença leva de 3 a 6 dias seguido da fase de viremia e os sintomas.

2018-10-16T16:45:29-03:00